VOCÊ VAI PRECISAR DE UM ASSESSOR DE INVESTIMENTOS

Não muito tempo atrás era possível obter 10% de rendimento ao ano com uma aplicação extremamente conservadora, como um Fundo DI ou um título do Tesouro. E isso não acontecia à toa: a Taxa Selic estava um pouco acima dos 14% em meados de 2015, e isso significava que bastava um “assessor de investimentos” recomendar a aplicação em títulos do tesouro lastreados na Selic (a antiga LFT) que Voilà: a carteira do cliente feliz e satisfeito rendia pouco mais de 10% ao ano, já retirada a enorme taxa de administração que reinava naquela época, assim como impostos que incidem no resgate.

A palavra assessor no parágrafo acima está com aspas propositalmente, como o leitor deve ter percebido. Notem como era fácil atingir um rendimento de dois dígitos por meio da aplicação em títulos de baixíssimo risco. Sabendo disso, uma parte desses assessores sujaram o nome de seus pares no mercado: começaram a oferecer produtos péssimos para o cliente, mas ótimos para a instituição que trabalhavam. Em época de bonança – entenda-se juro real estratosférico – o cliente dava a sua colher de chá, pois o restante da sua carteira estava rendendo muito bem. Afinal, como diz a clássica frase de Warren Buffet, “você só descobre quem está nadando pelado quando a maré é baixa”: com uma taxa de retorno cada vez menor, tomar a decisão correta torna-se mais e mais importante para o longo prazo.

Na medida que o juro começou a cair, no início do segundo semestre de 2016, certas atitudes desses denominados assessores de investimentos passaram a não ser mais toleráveis, como, por exemplo, empurrar o famigerado e conhecido título de capitalização para o cliente. Você lembra disso? Pouco a pouco, esse papo não colava mais.

O fato é que o cliente médio começou a duvidar desse profissional, embora, vale ressaltar, existam mesmo excelentes assessores no mercado. Mas vale a máxima: para construir uma reputação demora uma vida, mas para destruí-la, basta apenas um deslize.

Agora, em um momento de “vacas magras” no qual os investimentos conservadores estão rendendo 4% ao ano nominalmente e é próxima de zero a taxa real (excluindo a inflação), o investidor médio está mais perdido do que nunca. Afinal, como diversificar a sua carteira de investimentos ajustado ao seu perfil de risco? Como alocar suas reservas obtidas ao longo de tantos anos de forma a não comprometer seu patrimônio financeiro?

Essas são questões facilmente respondidas por um assessor sério, que visa o bem-estar do cliente. Com a maré-baixa dos retornos da renda fixa, ficou bem mais fácil identificar os profissionais que de fato estão trabalhando para o cliente e quais deles ainda permanecem com foco apenas no retorno para a instituição financeira. Felizmente, esses assessores picaretas estão perdendo espaço, graças a uma “seleção natural” do mercado, que já não compactua com esse tipo de comportamento.

Por isso, fazemos um apelo: dê uma segunda chance para o seu assessor de investimentos. O investidor está navegando em águas turbulentas, no qual promessas de rentabilidade irreais aparecem no horizonte e confundem o marinheiro. Com o auxílio do seu assessor, que conhece melhor os movimentos das águas e os riscos para a embarcação, pode te guiar melhor para que você atinja o seu objetivo financeiro.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram

Entre em Contato

Últimas Postagens

Perfil do Professor

Antes de montar seu time, digo sua carteira de investimentos, você precisa se conhecer profundamente e saber o que está em jogo nessa temporada. Se

Leia Mais »

O QUE ESPERAR DE 2020?

Todos anos, economistas são instados a fazer seus prognósticos para a economia brasileira, e, verdade seja dita, nos últimos 5 anos, as apostas mais otimistas tem

Leia Mais »
Rolar para cima